Quinta, 19 de Maio de 2022
29°

Muitas nuvens

Uruará - PA

Saúde Silicone fatal

Engenheira morre após cirurgia plástica e mãe busca explicações

Jovem de 29 anos fez implante de silicone nos seios

28/04/2022 às 18h42
Por: Joabe Reis Fonte: Da Redação com informações do Uol
Compartilhe:
Engenheira morre após cirurgia plástica e mãe busca explicações

Mais uma busca pela beleza perfeita termina em tragédia no país. Uma engenheira civil de 29 anos morreu, em Belo Horizonte, após se submeter a uma cirurgia plástica para implantar próteses de silicone nos seios e passar por uma lipoaspiração na cintura. A família de Júlia Moraes Ferro diz que não foi procurada pela direção da instituição médica onde foi realizada a intervenção, na zona sul da capital mineira, e entrou na justiça. O caso foi registrado na delegacia de homicídios da cidade

Segundo a mãe da engenheira, a vigilante Patrícia Moraes, Júlia trabalhava em uma empreiteira da mineradora Vale e morava em Santa Bárbara, a pouco mais de cem quilômetros da capital. O sonho da filha era implantar silicone nos seios. "No dia da cirurgia, eu perguntei se ela estava bem, se estava nervosa. Ela me pediu forças, eu dei força".

Júlia foi submetida à intervenção no dia 8 de abril, acompanhada de uma prima médica, de uma tia e do namorado. Durante o procedimento, ela teria sofrido uma parada cardiorrespiratória

Segundo Patrícia, a filha precisou ser internada em um hospital por quatro dias, e os exames não identificaram o motivo da piora do quadro clínico dela após a cirurgia. Intubada, ela precisou novamente ser transferida para outro hospital da capital. Patrícia afirma que Júlia não tinha comorbidades e era saudável, mas que, até agora, não há informação sobre o que teria levado à parada cardiorrespiratória

Após mais 11 dias internada, Júlia foi diagnosticada com morte encefálica, em 23 de abril. Ela foi enterrada na segunda-feira (25

Para os familiares, o importante agora é descobrir o que aconteceu. "A clínica nunca me procurou, e eu quero esclarecimentos sobre o que levou ao óbito dela", resume

Posicionamentos

A reportagem entrou em contato com o médico que seria o responsável pelo procedimento, mas ao explicar o motivo da conversa, o profissional parou de responder. A defesa da clínica indicada pelo profissional nas redes sociais informou à reportagem que é "a principal interessada no esclarecimento de todos os fatos".

"Em casos como este, a parte médica fica em posição de extrema vulnerabilidade para demonstrar publicamente a verdade, tendo em vista que para comprovar a correta conduta seria necessário publicar dados, fornecer prontuário e exames da paciente, o que somos vedados em razão do sigilo médico", afirmou, em nota.

A defesa também disse que Júlia teve "toda assistência", "tanto nos momentos pré e pós-operatórios, quanto no decorrer do procedimento".

"Durante e após a cirurgia, a paciente foi o tempo todo assistida pela equipe médica composta, inclusive, por médica anestesista, que esteve integralmente ao lado da paciente. O prontuário de Júlia foi entregue imediatamente no ato da solicitação feito pela família", completou.

Por fim, a defesa disse que a clínica aguarda a "conclusão do laudo necropsial do Instituto Médico Legal", pontuando que, "até o momento, não há nenhum indício de má conduta médica".

"O cirurgião responsável pelo procedimento é habilitado, tendo cumprido todas as etapas de formação, e possui registro junto ao CRM-MG (Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais) e título de especialista em Cirurgia Plástica", acrescentou.

Procurada, a SBCP (Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica) confirmou, em nota, que o profissional é habilitado e tem registro no CRM-MG. A entidade "está acompanhando as apurações pelos órgãos competentes", e "cuidará para garantir a transparência nas informações".

"Como todo procedimento médico invasivo, a cirurgia plástica implica riscos que são inerentes ao ato cirúrgico, mesmo com adoção de todas as medidas de precaução", completou.

Também por meio de nota, o CRM-MG disse que "iniciará os procedimentos necessários" para apurar a morte. "Todas as denúncias recebidas são apuradas de acordo com os trâmites estabelecidos no CPEP (Código de Processo Ético Profissional), tendo o médico amplo direito de defesa e ao contraditório", pontuou.

Já a Polícia Civil de Minas Gerais disse que está apurando o caso, sem mais detalhes. "Outras informações serão prestadas em momento oportuno", completou o órgão.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Belo Horizonte - MG
Belo Horizonte - MG
Sobre o município Belo Horizonte é um município brasileiro e a capital do estado de Minas Gerais. Sua população estimada é de 2 501 576 habitantes, conforme estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Ele1 - Criar site de notícias