Quinta, 27 de Janeiro de 2022
26°

Pancada de chuva

Uruará - PA

Política Política

Projetos de Eraldo Pimenta sobre concursos da Polícia Civil são aprovados

As novas regras já valem para o concurso 206/207

08/12/2021 às 10h43 Atualizada em 16/12/2021 às 19h05
Por: Joabe Reis Fonte: Da Redação com informações do DOL
Compartilhe:
Projetos de Eraldo Pimenta sobre concursos da Polícia Civil são aprovados

A Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa) teve nesta terça-feira (7), o mais longo dia de sessões do ano. Os trabalhos duraram cerca de 11 horas e mais de 100 projetos foram votados. Dois deles são de interesse direto dos servidores públicos e daqueles que pretendem uma vaga no funcionalismo estadual.

O primeiro foi o Projeto de Lei Complementar 09/2021, do Poder Executivo, que altera o artigo 3º da Lei Complementar Estadual nº 131, de 16 de abril de 2020 prorrogando os contratos de servidores temporários.

A outra votação foi do Projeto de Lei 11/2021, também do Poder Executivo, que altera a Lei Complementar Estadual nº 022, de 15 de março de 1994, que estabelece normas de organização, competências, garantias, direitos e deveres da Polícia Civil do Estado do Pará.

Ambos os projetos apreciados pelo executivo estadual são de autoria do deputado Eraldo Pimenta (MDB) após ter sido procurado por comissões voltadas aos interesses comuns de servidores e concursados 

CADASTRO DE RESERVA NOS CONCURSOS DA PC

Até a votação desta terça-feira, o Pará era a única unidade da federação que não tinha cadastro de reserva para os concursos da Polícia Civil, seja para os cargos de delegado, escrivão, investigador ou papiloscopistas.

Na prática, sem essa possibilidade, os candidatos que não estivessem dentro do número de vagas apontadas no edital não podiam ser aproveitados em caso de desistência de um candidato, o que trazia prejuízos ao Estado.

As novas regras já valem para o concurso 206/207 e agora só precisam da sanção do governador Helder Barbalho.

"Hoje o estado do Pará figura como um dos que mais reduziu a violência, mas de 60% desde o ano passado. Isso vai dar condição de se fazer que se concluam, ou seja, as vagas ofertadas que são 250 vagas possam realmente ser preenchidas. O delegado que passar e fizer academia, poderá assumir, mas se voltar para seu estado de origem e deixar a vaga, essa vaga, automaticamente, o delegado que passou no concurso, está apto a assumir, é chamado e assim não temos perca", concluiu o deputado Eraldo Pimenta.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias